Tuesday, September 20

E a Road Trip como correu?

É verdade já estou a dever um post aqui no blog há quase duas semanas. Sim, porque apesar de me terem pedido para escrever ao longo da viagem, e de inicialmente até pensar que o iria fazer, tornou-se de todo impossível. Mas como prometido mostrei tudoooooo no Snapchat e no Instagram. E já recebo mensagens a dizer que estão com saudades da "novela". Talvez os snaps tenham acalmado um pouco, uma vez que a boa vida terminou e agora estou a começar tudo de novo do outro lado da costa, mas estará para breve o retorno em grande ao Snapchat.

Pois é, ainda nem acredito que num espaço de um mês deixei Nova Iorque e estou a viver na California. C-A-L-I-F-O-R-N-I-A! 2016 está a ser o ano da minha vida, tantas mudanças, tanta aventura, tantas experiências que para sempre vão ficar gravadas na minha memória.

Poderia ter apanhado o primeiro avião com destino à California, mas isso não teria piada. Tinha que o fazer em grande e realizar mais um dos meusgrandes sonhos. Sonho que tinha desde criança, onde numa mapa dos Estados Unidos eu marcava todos as cidades que queria visitar. Sabia de cor todos os estados e capitais. E assim foi: no dia 3 de Agosto sai de NY para iniciar uma Road Trip de 30 dias. Sem muito planeamento, na verdade todos esses planos foram idealizados na minha cabeça anos a fio e por isso estava mais do que preparada para iniciar a viagem da minha vida. Confesso que sempre que penso em tudo aquilo que  vivi bate uma nostalgia que me deixa de coração apertadinho.

Foram 20 estados e mais de 11 mil quilómetros e a sensação que ficou ainda muito para ver. Só temos noção do quanto este país é enorme, quando conduzimos por 500 quilómetros e continuamos no mesmo estado.

 Lembro-me quando era criança que o simples trajecto Porto-Lisboa era algo a ser planeado com antecedência e era preciso descansar o suficiente para aguentar as quase três horas de viagem. Pufffff, depois desta road trip passei a olhar para o GPS e a ver distâncias entre cidades de nove horas como algo perfeitamente normal. Na verdade, até me deixava contente saber que tinha tantas horas pela frente, naqueles cenários retirados dos filmes da minha infância.

Conheci lugares maravilhosos, culturas diferentes, pessoas com um coração enorme, mentalidade diferentes, comida saborosa e calórica ( que me fez engordar quase 4 quilos num mês). É incrível como um país consegue ser tão diferente de cidade para cidade e de estado para estado - desde o estilo de vida relaxado e da música country  do Sul até ao ritmo frenético de Las Vegas e da Costa Oeste. São estas diferenças que fazem da América um país maravilhoso e que faz com que queira viver aqui o resto da minha vida.

Nos próximos posts vou falar de toda a minha aventura, porque as coisas boas merecem ser partilhadas.



Monday, August 1

É tempo de partir

Há cerca de seis meses atrás, enquanto caminhava pelas ruas de NY cheguei à conclusão que não me sentia completamente feliz e era um sentimento que me acompanhava há imenso tempo. Lembro-me de pegar no telemóvel e enviar uma mensagem à minha melhor amiga e dizer-lhe"vamos embora daqui?". Senti que depois de ter exteriorizado a minha vontade já não havia volta a dar. E assim, comecei a planear a viagem da minha vida.

Amanhã  estou de partida, outra vez. Desta vez sem data de regresso, apenas com a certeza que vou realizar um dos meus maiores sonhos, um sonho que fui adiando, talvez por comodismo ou achar que nunca era a altura ideal. Havia sempre pequenos entraves que me faziam  adiar para o próximo ano. Mas o tempo não pára e depois de cinco anos nesta terra e de alguns acontecimentos menos agradáveis dei-me conta que a vida é verdadeiramente curta para não a aproveitarmos. Parece cliche dizer que só se vive uma vez, mas a verdade é que apenas nos foi dada uma oportunidade de viver e só depende de nós tornar a nossa passagem na terra o mais enriquecedora possível. Todos temos direito a uma vida extraordinária e não devemos aceitar nada menos que isso.

Pela primeira vez em muito tempo sinto que a minha vida tem uma direcção e propósito e por nada deste mundo vou desistir antes mesmo de começar. Por razões que agora não interessam para aqui, mas que talvez um dia fale, fui-me acomodando. Dei prioridade a pessoas que não fizeram de mim prioridade, tentei mudar a minha maneira de ser numa tentativa de fazer as coisas resultar.  Fui-me anulando e aos poucos e passei a existir em vez de viver.

Foi difícil voltar a renascer, voltar a sentir-me viva. A mudança não acontece de um dia para o outro, leva o seu tempo. Perguntam-me qual é o segredo e eu apenas respondo: gratidão. Parece simples, mas não é. Há alturas na nossa vida em que parece uma tarefa completamente impossível encontrar o que quer que seja para sermos gratos. Mas é nas mais pequenas coisas que nos devemos agarrar: o facto de nos ter sido dado mais um dia para vivermos, de respirarmos, de termos um cama onde dormir, de termos as pessoas que amamos do nosso lado.  Antes de se deitarem questionem-se "como seria o dia de amanhã se acordassem apenas com as coisas que agradeceram hoje".

Vivemos numa sociedade onde os valores materiais são mais importantes que as experiências. Diariamente somos influenciados pelos media a pensar que o sentimento de posse é sinonimo de felicidade. Medimos a nossa felicidade pelo número de zeros que temos na nossa conta bancária, ou pelo tipo de carro que conduzimos ou as roupas que vestimos. Será mesmo assim? Não me interpretem mal. Ter dinheiro obviamente vai tornar a nossa vida mais fácil, mas será que nos torna mais felizes?

Uma vez numa entrevista o Jim Carey disse: "Penso que todos deveriam ser ricos e famosos e fazer tudo aquilo que sempre sonharam para que depois vejam que isso não é a resposta para a felicidade." 

Foi na fase em que estava a ganhar bem e tinha um emprego estável que me sentia mais infeliz. Comprava coisas que achava que precisava para ao final de um dia ou dois já as deixar de lado, pois o sentimento de vazio dentro de mim continuava. E foi nessa altura que me apercebi que era necessário mudar. Não sou uma pessoa de ficar a chorar pelos cantos. Sou prática. Sabia que não estava e tinha que encontrar uma solução.

Desde pequena que tenho o sonho de fazer uma road trip pelos  EUA. Quando aqui cheguei essa vontade ficou um pouco adormecida, mas nos últimos tempos era como se uma voz dentro de mim me dissesse "Vai! É agora o teu momento!"

E seguindo o meu coração é isso que vou fazer. Partir à aventura no país que se tornou a minha casa. Amanhã começa uma nova etapa na minha vida, apesar de um pouco ansiosa, sinto-me plena e feliz porque sempre soube que este dia ia chegar. E de braços abertos dou as boas vindas ao mês de Agosto. Let the sunshine in.


Podem acompanhar toda a viagem no Instagram e Snapchat - dianaferrazss 

Thursday, July 28